MEDITAÇÕES NEGRITUDE PESSOAL SOCIEDADE

A Auto Confiança da Mulher Que Se Descobre Negra

16 de Outubro, 2020

Acredito que seja diferente das demais. Nunca fui branca para saber como é que todo o seu processo de auto-descoberta a impacta, nem tão pouco como é que os seus níveis de auto-estima a permitem deambular pelo mundo adentro. No entanto, sou uma mulher negra que se insere numa sociedade que ainda não a aceita na íntegra, questionando todo o seu potencial, condicionando o seu lugar e tentanto moldá-la numa pessoa que ela não é… Pelo menos, que ela não pretende ser.

As últimas semanas têm sido uma azáfama mental.

Estaria a mentir se dissesse que não passei a estar incomodada com os acontecimentos dos últimos dias, mesmo que sejam similares a tantos outros do passado. O facto de os problemas virem ao de cima num momento de pandemia e suas consequentes crises, tanto quanto o aglomerado de facetas que já não se escondem, leva-me, num registo diário, a questionar a mulher que sou. Todas as minhas características. Todos os meus talentos. Há dias em que me sinto perdida, tal como um tanto inadequada.

Uma vez que um conjunto de emoções me envolve, coloco em perspetiva a minha voz e com quem a usar. Como a usar. Questiono-me quem serei eu enquanto aquela que te escreve, aquela que pretende criar e partilhar histórias. Inegavelmente, afasto-me dos núcleos que me são conhecidos, resguardo-me e perscruto, em virtude dos meus direitos enquanto humana, onde é que me encaixo. Não para que seja aceite, uma vez que nunca agradaremos a todos, mas antes para que garanta o meu espaço de ação.

Nesta busca por algo que fazer, de modo a que me seja possível de investir nos meus objetivos, apanho-me a tecer reflexões que, outrora, nunca tinha considerado. Será que lerão o que tenho a dizer, quando se aperceberem de que sou negra? Tirarão conclusões absurdas das minhas capacidades? Colocarão em causa os meus sonhos? Estarei apta para tal? Sendo a lista interminável.

Analogamente, reconheço-me na pessoa que fui, mas noutras áreas da minha vida.

Até há pouco tempo, por exemplo, era-me impensável crer na possiblidade de conhecer alguém que quisesse partilhar uma história romântica comigo. Tudo porque, sem dúvida e, tocando na ferida, nunca pensei que a minha negritude pudesse ser alvo de apreciação; jamais concebi a ideia de poder chamar alguém a atenção, quanto mais… Daí, ter-se-me introduzido a auto-confiança negra.

Porquê, especificamente, negra?

Por ser a única realidade que consigo explorar, no corpo e na pele – livre de redundâncias – que possuo. A minha auto-confiança não tem sido resultado exclusivo da minha experência pelo mundo das dating apps… Naturalmente! A auto-confiança é um acumular de experiências que vamos vivendo, uma pedra que se talha com o passar do tempo. O cume das montanhas molda-se pelas ações dos ventos, das chuvas, do calor do sol.

A nossa auto-confiança é resultado das lágrimas que nos preenchem o rosto, das risadas que nos aquecem a alma, dos lugares que exploramos, das pessoas com as quais partilhamos e recebemos um mundinho. Menciono as dating apps por terem sido um tema de conversa num dos episódios do meu podcast e por, como há muito não dispunha, me terem obrigado a aprofundar esta questão da autoestima. É, portanto, um vértice de um iceberg existencial. Sentei-me para refletir, de igual modo, por nos últimos dias andar a tirar alguns retratos ao sol.

Anteontem, particularmente, com o meu cabelo natural.

Desabafei na legenda o facto de ter passado a intulá-lo de “coroa”, em alusão a um elogio por parte de uma amiga. De igual modo por, por muitos anos, nunca o ter conseguido encarar como algo positivo em mim… Razão pela qual sempre preferi tranças. Aos poucos, tem sido possível desvincular uma coisa da outra, trabalhando por um equilíbrio saudável entre o que me faz sentir confortável, e não excluída ou julgada. Conforme o tempo se desenrola, torna-se inevitável não gostar cada vez mais do meu rosto, do meu corpo, da minha personalidade.

Tem-se tornado imperativo trabalhar a força que vive em mim, estudar e compreender os sonhos que me habitam, dar-me a conhecer sem filtros ou receios. Se for para amedrontar o desconhecido, o adequado será parar de viver. Aliás, as melhores histórias são as que se baseiam na aleatoriedade dos terrenos que calcamos, nos planos que nos são trazidos pelo vento, nas memórias que vamos edificando… Viver esta auto-confiança – e que eu não pretendo que seja passageira -, traz ao de cima um conjunto de inseguranças por resolver, imensos questionamentos, dado que para se fortalecer, deve partir de algum lugar.

Medos sobem a costa, pois, o silêncio que lhes foi imposto é substituído pela voz que lhes dou.

Contudo, é com outra postura que os escuto: com vontade de os compreender e resolver. Sobretudo, com o intuíto de os compreender! Com efeito, os fatores crescimento e amadurecimento são outros dois que me têm influenciado, ultimamente. Por intermináveis semanas, toda eu era uma cápsula de dúvidas, ansiedades, desalento… Entretanto, conforme a estação troca de roupagem, também eu decidi quebrar certos ciclos e aventurar-me por outros de suma importância. Atrás de mim, na mochila que trago às costas, disponho de todas as doses de autoconhecimento, estima e confiança necessárias, para enfretar os desafios que me agraciarem pelo caminho. ♥

LER TAMBÉM: Guest Post Sobre Ser Negra, no blogue da Sofia Costa Lima

    O que pensas sobre o assunto? Gostaria de ler a tua opinião! ♥

    %d bloggers like this: